Idioma
Cliques
243
sergio velloso 1

A NOVA MISSA ECUMÊNICA DO HOMEM

TODOS DEVEM "PARTICIPAR" DO SACRIFÍCIO DE CRISTO DIRIGIDO E OFERTADO AO SEU PAI EM AMBIENTE DIVINO E SAGRADO?

SE O HOMEM NÃO PODIA PAGAR SUA DÍVIDA PARA COM DEUS, PODE O HOMEM SE INTROMETER NA INTIMIDADE DE CRISTO COM O PAI EM FAVOR DO RESGATE DO HOMEM?

POR ACASO, ALGUM HOMEM PODE EXPLICAR TODO O SENTIDO DAS SETE FALAS DE CRISTO NA CRUZ?

PODE A IGREJA CONCILIAR FAZER NOVA MISSA EM AMBIENTE ECUMÊNICO?

EM ARTIGO DA PRÓPRIA RÁDIO VATICANO LEIA A CONFISSÃO NADA CATÓLICA DE UM "PROFESSOR" AUTORIZADO A FALAR PELA IGREJA CONCILIAR:

(...)

"Mas, quem nos apresenta a Constituição Sacrosanctum Concilium, é o Professor Renato Borges Neto, Docente no Instituto Superior de Teologia da Arquidiocese do Rio de Janeiro, com Doutorado em Teologia pela Pontifícia Università do San Tommaso d'Aquino, em Roma:

"O primeiro documento do Concílio Vaticano II a ser promulgado pelo Papa Paulo VI foi a Constituição Sacrosanctum Concilium sobre a Sagrada Liturgia. Sua promulgação foi feita ainda no final da segunda sessão conciliar, em 4 de dezembro de 1963. A votação final dos Padre a favor do Documento foi de 2.147 votos a favor e apenas 4 contra. Como se sabe, o início do Concílio Vaticano II foi marcado por uma ruptura expressa na rejeição de praticamente todos os esquemas preparados pela Comissão Organizadora do Concílio, que era composta em sua grande maioria por membros da Cúria Romana. O esquema da liturgia, no entanto, que tinha sido mito bem preparado pelos maiores expoentes do movimento litúrgico, foi o único aceito. A Sacrosanctum Concilium sobre a Sagrada Liturgia foi dividida então em um proêmio, sete capítulos com diversos sub capítulos cada um e um apêndice. Com este documento, o Concílio realizou uma reforma geral na liturgia. Para tanto, a constituição retoma no seu Capítulo I, princípios gerais da liturgia, como sua natureza e importância na vida da Igreja, a formação litúrgica e sua participação pelos fieis, entre outros, para enfim abordar a reforma litúrgica propriamente dita, com diversos pontos, entre os quais os relativos ao emprego do vernáculo. O Capítulo II é dedicado ao Mistério Eucarístico. No número 48 se lê: "A Igreja procura fazer com que os fieis estejam presentes a este Mistério, não como estranhos ou simples expectadores, mas como participantes conscientes, piedosos e ativos, devem entender o que se passa, instruir-se com a Palavra de Deus e alimentar-se da mesa do corpo do Senhor"."

Recusamos a publicar o restante do artigo tamanho o asco que provoca a qualquer verdadeiro católico, mas o link do artigo na íntegra segue logo abaixo com as devidas cautelas que a verdadeira Doutrina católica já fez pela boca de São Pio X acerca do perigo para a Fé através da leitura dos modernistas ou progressistas por suas ciladas cheias de ambiguidade e de falsa caridade que vão totalmente contra o Testamento ou a Herança de Cristo:

Link: br.radiovaticana.va/…/1178980