Clicks131
pt.news

Ex-núncio dos EUA: Francisco cobriu abusos homossexuais

O arcebispo Carlo Maria Viganò, de 77 anos, publicou, em 22 de agosto, uma declaração bombástica de 11 páginas sobre o caso do cardeal Theodore McCarrick, de 88 anos.

Viganò sabia sobre este caso [pelo menos] desde 1998. De 2011 a 2016 ele foi o núncio apostólico nos Estados unidos. Ele e seus dois antecessores em Washington advertiram a Santa Sé sobre McCarrick, porém em vão.

De acordo com Viganò, Bento XVI [secretamente] proibiu McCarrick de realizar qualquer ministério público em 2009 e 2010.

Francisco reverte as sanções

Após a eleição de Papa Francisco, McCarrick foi reabilitado rapidamente. Não só começou novamente a viajar e a dar palestras e entrevistas, mas também se tornou um importante conselheiro de Francisco.

Em 2014, Viganò perguntou ao seu superior, cardeal Pietro Parolin, se as sanções contra McCarrick ainda estavam em vigor, mas Parolin optou por não responder.

Viganò menciona muitos prelados do Vaticano que "conheciam a situação do cardeal McCarrick em todos os detalhes": Ouellet, Baldisseri, Coccopalermio, Paglia, Becciu, Mamberti.

Viganò também afirma que o cardeal Wuerl, que foi o sucessor de McCarrick em Washington, "estava plenamente consciente" do caso. Ele chama as recentes declarações de Wuerl de que ele não sabia de nada de "absolutamente risíveis" e "mentiras descaradas".

Viganò também contesta as negações dos cardeais Farrell e O'Malley.

Armadilha de Francisco: O que você acha de McCarrick?"

Viganò revela fatos preocupantes sobre Francisco, com quem se encontrou pela primeira vez em 21 de junho de 2013, durante uma audiência para núncios. No dia anterior, Viganò conheceu McCarrick em Roma, que havia sido recebido por Francisco em 19 de junho e iria viajar para a China. Posteriormente, Viganò soube da "amizade de longa data" entre McCarrick e Bergoglio.

Francisco recebeu os núncios em uma fila individual, um por um. Quando chegou o turno de Viganò, Francisco lhe gritou: "Os bispos dos Estados Unidos não devem ser ideologizados! Devem ser pastores!"

Surpreso com esse comunicado, Viganò pediu uma audiência, na qual foi recebido em 23 de junho. Durante a audiência, Francisco estava transformado, quase afetuoso: "Sim, os bispos dos Estados Unidos não devem ser ideologizados", disse ele a Viganò: "Não devem ser de direita como o arcebispo da Filadélfia; eles devem ser pastores, não devem ser esquerdistas", e acrescentou, levantando ambos os braços - e quando eu digo de esquerda quero dizer homossexual".

Francisco perguntou a Viganò: "Como é o cardeal McCarrick?". Viganò expôs a verdade, mas Francisco, sem demonstrar reação, mudou de assunto.

Viganò acredita que isso foi "uma armadilha". Francisco queria descobrir qual a posição do núncio.

McCarrick, coroador de Francisco

Viganò encontrou Francisco novamente em 10 de outubro de 2013. Desta vez, Francisco perguntou a Viganò: "Do que o cardeal Wuerl gosta, ele é bom ou mau?"

Viganò contou a Francisco sobre a negligência pastoral de Wuerl em relação aos desvios na Universidade de Georgetown e sobre um convite aos jovens aspirantes ao sacerdócio para que encontrassem McCarrick. Mais uma vez, Francisco não mostrou qualquer reação.

Viganò explica que McCarrick e o comprometido cardeal Maradiaga são/eram "coroadores para as nomeações na Cúria e nos Estados Unidos". Juntamente com Wuerl, eles orquestraram a nomeação de Cupich para Chicago e Tobin para Newark.

Francisco deve renunciar por esconder abusos

Viganò conclui dizendo que Francisco sabia sobre os abusos de McCarrick, mas optou por encobri-lo:

"Ele não levou em conta as sanções que o Papa Bento XVI lhe impôs e fez dele seu conselheiro de confiança, junto com Maradiaga."

Fotografia: Carlo Maria Viganò, © lifesitenews.com, #newsGcravpggjz