Clicks1
jili22

Catecismo do Santo Curé de Ars: Sobre os sofrimentos

Trecho de "Esprit du Curé d'Ars, M. Vianney dans ses catequismos, ses homélies et sa conversation" (1864):

Goste ou não, você tem que sofrer. Há alguns que sofrem como o bom ladrão, e outros gostam do mau. Ambos sofreram igualmente. Mas alguém sabia como fazer seus sofrimentos meritórios; ele os aceitou no espírito de reparação, e voltando-se para o lado de Jesus crucificado, ele coletou de sua boca estas belas palavras: "Hoje você estará comigo no paraíso." O outro, pelo contrário, gritou, vociferou imprecações e blasfêmia, e exalou no desespero mais terrível.

« Há duas maneiras de sofrer: sofrer pelo amor e sofrer sem amar." Os Santos sofreram tudo com paciência, alegria e perseverança, porque amavam. Sofremos com raiva, rancor e cansaço, porque não amamos. Se amássemos Deus, adoraríamos cruzes, desejaríamos, imploraríamos neles... Ficaríamos felizes em poder sofrer pelo bem daquele que estava disposto a sofrer por nós. Do que estamos reclamando? Infelizmente! os pobres infiéis, que não têm a felicidade de conhecer Deus e suas infinitas gentilezas, têm as mesmas cruzes que nós; mas eles não têm os mesmos consolos.

Você diz que é difícil? Não, é doce, é consolador, é doce: é felicidade! Só que devemos amar pelo sofrimento, devemos sofrer pelo amor.

No Caminho da Cruz, veja, meus filhos, só há o primeiro passo que custa. É o medo das cruzes que é a nossa maior cruz... Você não tem coragem de carregar sua cruz, você está errado; Para o que quer que façamos, a cruz nos segura, não podemos escapar dela. Então, o que temos a perder? por que não amar nossas cruzes e usá-las para ir para o céu?... Mas, pelo contrário, a maioria dos homens vira as costas para as cruzes e foge diante deles. Quanto mais eles correm, mais a cruz os persegue, mais ele os atinge e esmaga-os com fardos... Se você quer ser sábio, caminhe para encontrá-lo como Santo André, que disse, vendo a cruz de pé para ele no ar: "Olá, ó boa cruz! Ó cruz admirável! O cruzamento desejável!... me receber em seus braços, me tirar entre os homens, e me devolver ao meu Mestre que me redimiu através de você. »

Ouçam isso, meus filhos: Aquele que vai antes da cruz, caminha em frente às cruzes; ele pode encontrá-los, mas ele está feliz em conhecê-los, mas ele pode ele os ama; ele os usa com coragem. Eles o unem ao Nosso Senhor; eles purificam isso; eles desligá-lo deste mundo; eles tiram de seu coração todos os obstáculos; eles o ajudam a atravessar a vida, como uma ponte ajuda a passar água... Veja os santos; quando não eram perseguidos, perseguiam-se... Um bom religioso uma vez reclamou ao Nosso Senhor que ele estava sendo perseguido. Ele disse: "Senhor, o que eu fiz para ser tratado assim?" Nosso Senhor respondeu: "E o que eu tinha feito quando fui levado ao Calvário?... Então o religioso entendeu; ele chorou, pediu perdão, e não se atreveu a reclamar mais.

As pessoas no mundo se arrependem quando têm cruzes, e os bons cristãos se arrependem quando não têm. O cristão vive no meio de cruzes enquanto os peixes vivem na água.

Olhe para Santa Catarina, que tem duas coroas, a da pureza e a do martírio: como ela está feliz, esta querida santa, por ter amado sofrer melhor do que consentir com o pecado! Havia um religioso que amava tanto o sofrimento que ele tinha ligado uma corda bem ao seu corpo; esta corda tinha esfolado a pele e gradualmente afundou na carne de onde saiu dos vermes. O religioso exigiu que ele fosse demitido da comunidade. Ele foi feliz e alegre para se esconder no fundo de um covil de rocha. Mas naquela mesma noite, o superior ouviu o Senhor dizer-lhe: "Você perdeu o tesouro de sua casa." Imediatamente, voltamos para procurar esse bom santo, queríamos ver de onde vieram esses versos. O superior teve a corda removida, o que foi feito girando toda a carne. Finalmente ele se cura.

Havia um menino nas proximidades, em uma paróquia nas proximidades, que estava todo esfolado em sua cama, muito doente e muito miserável; Eu disse a ele: "Meu pobre pequeninho, você está sofrendo bem!" Ele respondeu: "Não, Sr. Pároco, não sinto hoje meu mal de ontem, e amanhã não sofrerei da minha dor de hoje." — "Você gostaria de curar?" — "Não, eu era malvado antes de ficar doente; Eu poderia me tornar um de novo. Eu sou bom como eu sou... Era vinagre, mas o óleo ganhou... Não entendemos isso, porque somos muito terrenos. Crianças em quem o Espírito Santo reside nos envergonham.

Se o bom Deus nos envia cruzes nós nos afastamos, reclamamos, sussurramos, somos tão inimigos de tudo o que nos perturba, que sempre gostaríamos de estar em uma caixa de algodão; está em uma caixa de espinhos que devemos colocar. É através da cruz que se vai para o céu. Doenças, tentações, tristezas, são todas cruzes que nos levam ao céu. Tudo isso logo acabará... Olhe para os santos que chegaram antes de nós... O bom Deus não nos pede o martírio do corpo, ele só nos pede o martírio do coração e da vontade... Nosso Senhor é nosso modelo; Vamos pegar nossa cruz e segui-la. Vamos fazer o que os soldados de Napoleão fizeram. Você tinha que atravessar uma ponte na qual você estava disparando metralhadoras; ninguém se atreveu a passar. Napoleão pegou a bandeira, caminhou primeiro, e todos seguiram. Vamos fazer o mesmo; Sigamos Nosso Senhor que caminhou primeiro.

Um soldado uma vez me disse que, em uma batalha, ele tinha andado por meia hora em cadáveres; não havia quase nenhum lugar para colocar os pés; a terra estava toda tingida de sangue. Assim, no caminho da vida é preciso caminhar sobre cruzes e tristezas para chegar à pátria.

A cruz é a escada do céu... Como é consolador sofrer diante dos olhos de Deus, e ser capaz de dizer a si mesmo, à noite, em seu exame: "Vamos lá! minha alma, hoje você teve duas ou três horas de semelhança com Jesus Cristo. Você foi açoitado, coroado com espinhos, crucificado com ele !...." Ah! que tesouro para a morte!... Como é bom morrer quando você viveu na cruz!

Deveríamos correr atrás das cruzes, como se o avarento corresse atrás do dinheiro... Só cruzes nos tranquilizarão no dia do julgamento. Quando esse dia chegar, sejamos felizes com nossos infortúnios, orgulhosos de nossas humilhações, e ricos em nossos sacrifícios!

Se alguém lhe dissesse: "Eu gostaria de ficar rico, o que devo fazer?" Você diria: "Você tem que trabalhar." Poço! para ir para o céu você tem que sofrer. Nosso Senhor nos mostra o caminho na pessoa de Simão, o Cirene; ele chama seus amigos para carregar sua cruz depois dele.

O bom Deus quer que nunca percamos de vista a cruz, por isso é colocado em todos os lugares, ao longo dos caminhos, nas alturas, em praças públicas, para que nesta visão possamos dizer: "É assim que Deus nos amou!"

A cruz abraça o mundo; é plantada nos quatro cantos do universo; há um pedaço dele para todos.

As cruzes estão na estrada para o céu como uma bela ponte de pedra sobre um rio para atravessá-la. Cristãos que não sofrem passam este rio em uma ponte frágil, uma ponte de arame, sempre prontos para quebrar sob seus pés.

Aquele que não gosta da cruz pode ser capaz de se salvar, mas com grande dificuldade: será uma pequena estrela no firmamento. Aquele que sofreu e lutou por seu Deus, brilhará como um belo sol.

As cruzes transformadas nas chamas do amor, são como um feixe de espinhos que são jogados no fogo e que o fogo reduz a cinzas. Os espinhos são duros, mas as cinzas são macias.

Ah! que as almas que são todas para Deus em sofrimento experimentam doçura! É como água em que você coloca um monte de óleo: vinagre é sempre vinagre; mas o óleo corrige a amargura, e quase não é mais sentida.

Coloque uma bela uva sob a imprensa, um delicioso suco sairá dela: Nossa alma, sob a prensa da cruz, produz um suco que a alimenta e fortalece. Quando não temos cruzes, somos áridos: se as carregamos com resignação, sentimos uma doçura, uma felicidade, uma doçura !... é o começo do céu. O bom Deus, a Virgem Santíssima, os anjos e os santos nos cercam; eles estão ao nosso lado e nos vêem. A passagem do bom cristão, testado pela aflição, para a outra vida é como a de uma pessoa que é levada em um leito de rosas.

Os espinhos suam o bálsamo e a doçura da cruz. Mas é necessário espremer os espinhos em suas mãos e espremer a cruz em seu coração para que eles destilem o suco que contêm.

Foi a cruz que deu paz ao mundo; é ela que deve carregá-lo em nossos corações. Todas as nossas misérias vêm do que não gostamos. É o medo das cruzes que aumenta as cruzes. Uma cruz carregada de forma simples, e sem esses retornos de amor próprio que exageram as tristezas, não é mais uma cruz. Sofrimento pacífico não é mais sofrimento. Reclamamos de sofrimento! teríamos muito mais motivos para reclamar de não sofrer, já que nada nos faz mais parecidos com Nosso Senhor do que carregar Sua cruz. Ó bela união da alma com Nosso Senhor Jesus Cristo através do amor e virtude de sua cruz !... Eu não entendo como um cristão não pode amar a cruz e fugir dela! Não é para fugir ao mesmo tempo aquele que foi gentil o suficiente para ser apegado a ele e morrer por nós?

ContraContradições nos colocam ao pé da cruz, e a cruz na porta do céu. Para chegar lá devemos ser pisados, devemos ser vilipendiados, desprezados, esmagados... Não há pessoas felizes neste mundo, mas aqueles que têm a calma da alma, no meio das tristezas da vida: provam a alegria dos filhos de Deus... Todas as tristezas são doces quando se sofre em união com Nosso Senhor...

Sofrer! O que isso importa? É só um momento. Se pudéssemos ir e passar oito dias no céu, entenderíamos o preço deste momento de sofrimento. Não encontraríamos uma cruz pesada o suficiente, nenhum julgamento amargo o suficiente... A cruz é um presente de Deus para Seus amigos.

Como é bonito oferecer-se todas as manhãs como um sacrifício ao bom Deus, e aceitar tudo em expiação por seus pecados!... Devemos pedir o amor das cruzes: então elas se tornam doces. Eu tenho experimentado isso por quatro ou cinco anos. Eu estava bem caluniado, bem contrariado, bem empurrado. Ah! Eu tinha cruzes... Eu tinha quase mais do que eu poderia usar! Comecei a pedir o amor das cruzes: então eu estava feliz. Eu digo para mim mesmo: Realmente, só há felicidade lá!... Nunca devemos olhar de onde vêm as cruzes: elas vêm de Deus. É sempre Deus que nos dá este caminho para provar nosso amor a Ele.dições nos colocam ao pé da cruz, e a cruz na porta do céu. Para chegar lá devemos ser pisados, devemos ser vilipendiados, desprezados, esmagados... Não há pessoas felizes neste mundo, mas aqueles que têm a calma da alma, no meio das tristezas da vida: provam a alegria dos filhos de Deus... Todas as tristezas são doces quando se sofre em união com Nosso Senhor...

Sofrer! O que isso importa? É só um momento. Se pudéssemos ir e passar oito dias no céu, entenderíamos o preço deste momento de sofrimento. Não encontraríamos uma cruz pesada o suficiente, nenhum julgamento amargo o suficiente... A cruz é um presente de Deus para Seus amigos.

Como é bonito oferecer-se todas as manhãs como um sacrifício ao bom Deus, e aceitar tudo em expiação por seus pecados!... Devemos pedir o amor das cruzes: então elas se tornam doces. Eu tenho experimentado isso por quatro ou cinco anos. Eu estava bem caluniado, bem contrariado, bem empurrado. Ah! Eu tinha cruzes... Eu tinha quase mais do que eu poderia usar! Comecei a pedir o amor das cruzes: então eu estava feliz. Eu digo para mim mesmo: Realmente, só há felicidade lá!... Nunca devemos olhar de onde vêm as cruzes: elas vêm de Deus. É sempre Deus que nos dá este caminho para provar nosso amor a Ele.

le-petit-sacristain.blogspot.com/…hisme-du-saint-cure-d-ars-sur-les-souffrances.html