Clicks158
pt.news

Guerra em Dijon: o arcebispo Minnerath procura a mosca na sopa

O arcebispo de Dijon, Roland Minnerath, está denegrindo a Fraternidade de São Pedro (FSSP) para justificar o despejo injusto de sua arquidiocese.

Em uma declaração de 17 de junho não assinada, Minnerath lembrou que o primeiro padre da FSSP foi recebido na arquidiocese de Dijon em 1998 com a cláusula - ilegal - de que ele deveria copresidir "de vez em quando" no Novo Rito, para que não houvesse “nenhuma separação estanque” entre os “dois ritos”. Apresentar a “copresidência” como sinal de unidade é inadmissível, porque todo sacerdote é livre para copresidir ou não.

Minnerath, que foi para Dijon em 2004, escreve que em 2007, quando o primeiro padre da FSSP saiu, a arquidiocese planejou equipar sua igreja de rito antigo com padres diocesanos, mas esse plano falhou, então a FSSP foi autorizada a enviar outro sacerdote, o padre Xavier Garban, novamente com a condição ilegal de copresidir o Novo Rito, o que ele fez.

Quando Garban foi nomeado a outro lugar em 2010, a arquidiocese pediu novamente ilegalmente por um padre da FSSP disposto a copresidir. A Fraternidade não conseguiu encontrar um, então Garban permaneceu em Dijon até 2016. Um ano depois, Garban publicou um libreto sobre as parábolas de Cristo com um prefácio do Arcebispo Minnerath.

A declaração reclama que os sucessores de Garban se recusam a copresidir, o que chama de "gesto de comunhão sacerdotal e sacramental". Isso, novamente, é uma representação equivocada do significado de copresidir.

Em uma época em que tantas paróquias morrem, Minnerath continua reclamando que os padres da Fraternidade construíram um “ministério pastoral quase paroquial” e que eles não são um, mas dois padres!

Ele também reclama que alguns fiéis “rejeitam o que eles chamam de ‘Igreja conciliar’” - embora este termo tenha sido cunhado por Paulo VI, a quem o Vaticano considera “um santo”.

Hipocritamente, Minnerath afirma que “a comunidade católica não deve ser dividida” - um argumento que a Igreja Conciliar apenas usa contra os católicos fiéis.

Para Minnerath, toda a culpa é da Fraternidade “que excluía seus padres de celebrar no rito ordinário”. Esta é outra mentira, uma vez que os padres da Fraternidade nem mesmo sabem como presidir o Novo Rito, por mais que Minnerath não seja capaz de celebrar uma Missa Romana.

#newsIadinkxnvm