Clicks3

Maria Santíssima como a Igreja Ensina

Algumas palavras introdutórias são necessárias para a melhor compreensão do método de exposição usado neste livro. Sobre as diversas grandezas de Maria, examinaremos seu significado, seu caráter de …More
Algumas palavras introdutórias são necessárias para a melhor compreensão do método de exposição usado neste livro. Sobre as diversas grandezas de Maria, examinaremos seu significado, seu caráter de verdade revelada, sua importância e suas harmonias. O sentido da primeira e das duas últimas abordagens não exigirá longas explanações, porém insistiremos mais na segunda, ou seja, no seu caráter de verdade revelada. O significado exato de cada uma das grandezas de Maria precisa ser bem estabelecido, tendo em vista sobretudo que certos fieis têm sobre isso noções obscuras ou incompletas, por vezes até inteiramente falsas. As verdades religiosas, em particular as verdades mariais, não são especulações estéreis, e sim "espírito e vida", por isso nos empenhamos em indicar a importância especial de cada uma das grandezas da Mãe de Deus. Não somente do ponto de vista teórico, mas sobretudo em função da vida sobrenatural e da atitude prática que elas exigem em relação a Maria. Haverá também oportunidade para mencionarmos as "harmonias" entre cada uma das grandezas de Maria e suas outras grandezas, ou ainda com outras verdades sobrenaturais. Com efeito, Deus "fez tudo com ordem e medida", e tornou Maria a mais harmoniosa de todas as criaturas. Tudo se contém e se aceita na sua pessoa, nas suas funções e prerrogativas. Para bem compreender, bem admirar, e sobretudo bem viver qualquer desses atributos, é necessário contemplá-lo não só em si mesmo, mas também nas suas relações com os outros, e mesmo com o conjunto da Revelação. A propósito do caráter de verdades reveladas que atribuímos às diversas grandezas de Maria, nós o encaramos como doutrinas de fé, sustentando evidentemente que elas nos vêm da Revelação. Como elas chegaram até nós? Muitas delas estão contidas claramente na Sagrada Escritura. Em termos explícitos, como a sua virgindade, ou em termos equivalentes, como a sua maternidade divina. Porém outras, talvez a maioria, não se discernem numa primeira análise do texto sagrado, mas um exame atento descortina neles certas afirmações que sustentam relações mais próximas ou menos com alguma prerrogativa marial. Por um processo às vezes rápido, outras vezes muito longo, a partir de algumas indicações obscuras os fieis chegaram à visão clara de verdades professadas atualmente. Não se trata aqui de um processo de lógica abstrata, mas de lógica vital, ao mesmo tempo natural e sobrenatural. Assemelha-se em parte ao processo pelo qual chegamos pouco a pouco à convicção de que tal palavra, pronunciada por tal pessoa, não deve ser entendida no seu sentido óbvio, e sim no sentido hiperbólico, metafórico ou irônico, adquirindo tal significado. Para distinguir qual destes se aplica, de nada adianta montar silogismos com base no sentido próprio das palavras. O que se deve fazer é procurar conhecer o modo geral de pensar e de sentir do autor, as afirmações que sustentou em outras ocasiões a respeito da mesma ideia, as circunstâncias especiais em que ele as pronunciou, etc. Obtém-se assim certo número de indicações convergentes que possibilitarão definir, por vezes em grau de certeza, o sentido exato que se deve dar a tal palavra. Algumas dessas indicações podem não resultar em certeza, mas se no seu conjunto elas orientam o espírito no mesmo sentido, isso exclui a dúvida. Também no domínio da fé, talvez não se alcance uma conclusão válida a partir de um silogismo alicerçado em um texto isolado da Escritura. Porém, quando um conjunto de afirmações escriturais converge para uma mesma doutrina, conduz a uma certeza, ou pelo menos a uma forte probabilidade. Outro fator psicológico contribui na compreensão das verdades reveladas. Sendo elas "espírito e vida", quanto mais vivemos uma verdade de ordem moral, sobretudo de ordem espiritual, melhor a compreendemos; e só a compreendemos de fato se a vivemos. Foi o que Nosso Senhor ensinou aos fariseus, quando lhes disse: "Se alguém quer fazer a vontade de meu Pai, saberá se minha doutrina é de Deus ou se falo por mim mesmo". É por isso que almas simples, mas entregues completamente à vontade de Deus, compreendem melhor as verdades reveladas do que certos teólogos que discorrem doutamente sobre elas. À medida que almas amorosas se dedicaram a viver os ensinamentos que a Tradição lhes apresenta sobre a Virgem Maria, fizeram avançar o entendimento do dogma marial. Por vezes surgem pessoas que, mais confiantes nas suas luzes pessoais do que na doutrina tradicional, se põem a contradizer o que em torno delas outros acreditam. Suas negações provocam escândalo, indignação e discussões. Mas até isso contribui para o progresso da verdade revelada, pois tais ataques levam os fieis a estudar melhor os dados da Escritura e a viver melhor a doutrina que está sendo combatida...