Clicks82
pt.news

O que mudará com a abolição do Summorum Pontificum? Nada

Bergoglio não entende a liturgia e, portanto, não está interessado nela, escreve Caminante-Wanderer.Blogspot.com em 7 de junho.

O blog explica que Francisco é incapaz de perceber a dimensão sobrenatural da Igreja e o mistério expresso na liturgia: “Para ele, a Igreja é apenas um fator de poder destinado, na melhor das hipóteses, a manter uma certa ordem social”.

Consequentemente, a liturgia é, para ele, um “luxo decadente e desnecessário” e uma “perda de tempo” injustificada, e aqueles que gostam da liturgia devem estar necessariamente “doentes” ou serem “rígidos” - em qualquer caso, “não são pessoas normais”.

Caminante afirma que “a situação não mudaria em nada” se o Summorum Pontificum fosse limitado na forma como foi vazado: os institutos de Rito Antigo não seriam tocados, apenas os padres diocesanos precisariam da permissão de seus bispos, “o que já era o caso”.

O blog explica que “o poder de autorizar ou não o Rito Romano esteve, de fato, sempre nas mãos do bispo diocesano” porque a autoridade executora - a ex-Comissão Ecclesia Dei - não tinha poder de coerção para fazer cumprir a norma.

Fotografia: © Joseph Shaw, CC BY-NC-SA, #newsKngrfljzqa