Clicks227

O Vaticano promove apostasia e uma religião global

Miles Christi - 18/05/2020

Projeto da Casa da Família Abraâmica em Abu Dhabi

“Em comunhão com o Papa Francisco, a Conferência Episcopal Argentina apoia e cordialmente convida você a se juntar aos líderes e comunidades religiosas presentes em nosso país, à Oração pela Humanidade, que será realizada em 14 de maio.”

Esta é uma tradução automática. Se você entende espanhol, aconselho a ler o artigo original, com suas 47 notas de rodapé:

El Vaticano promueve la apostasía y una religión global

É assim que se lê o comunicado da Conferência Episcopal Argentina de 5 de maio sobre o convite de Francisco para se juntar à proposta do Alto Comitê de Fraternidade Humana de dedicar aquele dia à oração e ao jejum, para que Deus possa um termo para a “pandemia” que supostamente atormenta a humanidade. A declaração cita a mensagem de Francisco:

“Aceitei a proposta do Alto Comitê para a Fraternidade Humana de que os crentes de todas as religiões se reúnam no dia 14 de maio, espiritualmente, em um dia de oração, jejum e obras de caridade para implorar a Deus que ajude a humanidade a superar a pandemia do coronavírus.”

Ao dizer que "aceita" a proposta do "Alto Comitê", Bergoglio nos leva a idiotas. Vamos explicar. O que é esse "Alto Comitê"? É uma organização formada em agosto de 2019, a pedido de Francisco e do Grande Imame Ahmed Al-Tayeb, para promover os objetivos contidos no Documento sobre a Irmandade Humana pela Paz Mundial e Coexistência Comum, assinado por ambos em fevereiro de 2019. em Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes Unidos, e presidido pelo cardeal Miguel Ángel Ayuso Guixot, presidente do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso.

A missão deste “Comitê” é implementar a nova religião global da “Fraternidade Humana”, concebida por Bergoglio, que habilmente usa o Grande Imam como parceiro para enganar um pouco, evitando que o foco esteja exclusivamente nele e no outro. Vaticano. A propósito, que melhor do que um membro da numerosa e rica comunidade islâmica para começar a recrutar "crentes" de outras "tradições religiosas" e, assim, dar dicas de credibilidade e legitimidade ao seu plano global de religião.

Neste documento, pode-se ler o seguinte: "O pluralismo e a diversidade de religião, cor, sexo, raça e linguagem são a expressão de uma sábia vontade divina, com a qual Deus criou os seres humanos". O que não é apenas falso, mas, acima de tudo, herético e blasfemo.

Pouco tempo depois, em 5 de setembro, em Maputo, capital de Moçambique, por ocasião de uma reunião inter-religiosa, Francisco repetia a mesma blasfêmia:

“Obrigado por estar presente nas diferentes confissões religiosas. Obrigado por encorajá-lo a viver o desafio da paz e celebrá-lo juntos como uma família hoje; Também para aqueles que, sem fazer parte de nenhuma tradição religiosa, estão participando. É para tornar a experiência que todos somos necessários, com nossas diferenças, mas necessárias. Nossas diferenças são necessárias.”

O "Alto Comitê" teve sua primeira reunião oficial em Nova York, em setembro do ano passado. Cito o site da agência:

“Em 20 de setembro de 2019, os membros do Comitê Superior da Fraternidade Humana se reuniram com líderes religiosos, políticos e sociais para iniciar nossa jornada inter-religiosa em direção a um futuro mais pacífico para todos. Esta Celebração da Irmandade Humana enfocou a curiosidade e o diálogo como um meio de promover a aceitação e a tolerância entre pessoas de boa vontade com diferentes crenças, culturas e tradições. Este evento foi apenas a primeira Celebração da Irmandade Humana. Enquanto o Comitê Superior de Fraternidade Humana continua seu trabalho para realizar as aspirações do Documento sobre Fraternidade Humana, eventos e atividades futuros envolverão líderes e audiências adicionais em todo o mundo.”

Vamos agora ver o que o "Alto Comitê" -ou seja, Bergoglio, através de sua página, cardeal Ayuso- diz em seu "Chamado à Oração" em 2 de maio:

“Para alcançar os objetivos do Documento de Fraternidade Humana, o Comitê Supremo propõe na próxima quinta-feira, 14 de maio, um dia de oração e súplica para a humanidade. O Comitê apela a todos os líderes religiosos e pessoas ao redor do mundo para que respondam a esse apelo humanitário e cheguem ao Todo-Poderoso com uma só voz para preservar a humanidade, ajudá-lo a superar a pandemia e restaurar a segurança, estabilidade, saúde e desenvolvimento, tornar nosso mundo, depois do fim desta pandemia, mais humano e fraterno do que nunca.”

Quanto à substância, a idéia subjacente é a mesma de João Paulo II, quando ele chamou os “Dias Inter-religiosos de Assis”, ou seja, que todas as “religiões”, por si mesmas, são meios válidos e eficazes de se dirigir a Deus, pois o "Espírito" trabalha neles.

Para ilustrar isso, cito o que ele disse em sua audiência geral de 9 de setembro de 1998:

“A partir desta abertura primordial do homem em relação a Deus, nascem diferentes religiões. Não raro, em sua origem, encontramos fundadores que realizaram, com a ajuda do Espírito de Deus, uma experiência religiosa mais profunda. Essa experiência, transmitida a outros, tomou forma nas doutrinas, nos ritos e nos preceitos das várias religiões. Em todas as experiências religiosas autênticas, a manifestação mais característica é a oração. Levando em consideração a abertura constitutiva do espírito humano à ação com a qual Deus pede que ele se transcenda, podemos afirmar que toda oração autêntica é despertada pelo Espírito Santo, que está misteriosamente presente no coração de todo homem. No Dia Mundial de Oração pela Paz, em 27 de outubro de 1986, em Assis, e em outras ocasiões semelhantes de grande intensidade espiritual, experimentamos uma manifestação eloquente dessa verdade.”

Não é preciso dizer que isso é puro modernismo, isto é, gnose panteísta e evolutiva, vestida em uma linguagem "cristã", na veia de um Hegel, um Teilhard de Chardin ou um Rahner. Deus reside a priori nas profundezas da consciência humana, de um modo "transcendental" e da experiência mística individual que resulta dessa presença divina, emergem as várias religiões a posteriori, explicitadas nas "categorias" conceituais específicas de cada um. cultura, aqueles que mais ou menos fielmente refletem essa experiência primordial comum. Daí a legitimidade e necessidade das diferentes "tradições religiosas". Todos eles são canais autênticos para acessar a "divindade" subjacente em nossa psique.

Como podemos ver, o plano de unificação religiosa mundial que Bergoglio se esforça para realizar começou há 34 anos com Wojtyla, que foi o primeiro papa conciliar a colocar em prática em larga escala os falsos princípios ecumênicos-modernistas estabelecidos nos documentos subversivos da CVII.

Desde então, toda a práxis e a "pastoral" ecumênica-inter-religiosa do Vaticano têm procurado a realização desse empreendimento globalista. Bergoglio é apenas o último elo de uma cadeia ininterrupta de eclesiásticos modernistas comprometidos com a implementação desse objetivo, todos os quais se valeram maquiavélicos e sem escrúpulos do grande prestígio e imensa autoridade moral que o supremo pontificado lhes confere.

Vou dar duas citações esclarecedoras abaixo. Isto foi dito por Francisco em seu Papa Vídeo de janeiro de 2016:

“Muitos pensam diferente, sentem-se diferentes, buscam a Deus ou encontram Deus de uma maneira diferente. Nesta multidão, neste leque de religiões, há apenas uma certeza que temos para todos: somos todos filhos de Deus.”

Bergoglio diz que "há apenas uma certeza". Mas isso é problemático, para usar um eufemismo. Para começar, o Creed tem doze artigos. Além disso, existem muitos dogmas de fé que não estão contidos nela. E para preencher a medida do absurdo, precisamente a única certeza que ele possui de possuir acaba por ser cem por cento falsa. Vou ainda mais longe, ousando afirmar que é uma mentira colossal, uma vez que é impossível para um padre, um religioso jesuíta -com o intenso treinamento intelectual que isso implica-, depois de se tornar bispo, cardeal e finalmente "papa", ignorar a Doutrina da igreja a esse respeito.

Ele não teria mentido se dissesse: "Eu, Jorge Bergoglio, tenho essa certeza única em questões religiosas: que todos os homens são filhos de Deus". Essa crença de que ele tem a ousadia de declarar publicamente, em um documento oficial do Vaticano, no qual ele não fala como pessoa particular, mas como um suposto pontífice da Igreja Católica e vigário de Jesus Cristo, reflete completamente a doutrina gnóstica-panteísta que professa.

Bergoglio, então, não perderia a verdade, argumentando que essa é a única certeza que ele tem, pois fica claro que, para aqueles que aderem à gnose modernista, essa é a realidade. Essas pessoas estão convencidas de que a imanência vital da divindade que está no fundo da psique humana é a única verdade, e que todas as teorizações conceituais e afirmações dogmáticas das religiões positivas são meras tentativas -limitadas, imperfeitas e provisórias-, expressar a experiência mística primitiva da consciência humana.

É por isso que todos os promotores do ecumenismo conciliar buscam apenas a "unidade" dos "crentes", relativizando e deixando em segundo plano o que diz respeito à dogmática de cada "religião" estabelecida. É também por isso que Wojtyla e Ratzinger podem alegremente convidar todos os hereges, cismáticos e idólatras do planeta a se reunirem em Assis com o objetivo de praticar publicamente seus falsos cultos, suas falsas liturgias e suas falsas crenças para obter de Deus "paz em o mundo". Falsos cultos convidados por ninguém menos que aqueles que deveriam ser os "vigários de Cristo" na terra, que os confortam em seus erros, conferindo reconhecimento público a suas falsas religiões. Ver para crer…

Essa verdade gnóstica, tão claramente enunciada por Bergoglio, coloca as coisas no lugar delas: não há nada que possa ser considerado imutável nas religiões estabelecidas, nem mesmo na católica, é claro. E isso ocorre porque as afirmações dogmáticas ("categóricas", conceituais, a posteriori) da experiência de vida primordial ("transcendental", não temática, a priori) são suscetíveis a novas reformulações, repensando sucessivamente, em última análise, a evolução e de transformação incessante através do processo dialético de tese/antítese/síntese que caracteriza a gnose. Porque o modernista é, por definição, um gnóstico, embora não o explique -seja por estratégia ou por ignorância-, e um gnóstico é, por definição, um panteísta e um evolucionista, simplesmente porque, de acordo com essa doutrina, "Deus se torna" através do processo evolutivo do cosmos, principalmente no do ser humano.

Francisco se referiu à questão da segurança religiosa e da mutabilidade dos dogmas em outras ocasiões. Vamos ver alguns deles:

"Não é necessário pensar que o anúncio evangélico deve sempre ser transmitido com certas fórmulas aprendidas ou com palavras precisas que expressam um conteúdo absolutamente invariável".

“Esse procurar e encontrar Deus em todas as coisas sempre deixa espaço para a incerteza. Você deve sair. Se uma pessoa diz que encontrou Deus com total certeza e não toca em uma margem de incerteza, algo está errado. Eu tenho isso para uma chave importante. Se alguém tem respostas para todas as perguntas, estamos diante de uma prova de que Deus não está com ele. Isso significa que ele é um falso profeta que usa a religião para seu próprio bem. (...) O risco que existe, então, em buscar e encontrar Deus em todas as coisas, é o desejo de ser muito explícito, para dizer com certeza e arrogância humanas: "Deus está aqui". Dessa maneira, encontraríamos apenas um Deus em nossa medida.”

“No seu constante discernimento, a Igreja também pode reconhecer seus próprios costumes, não diretamente ligados ao núcleo do Evangelho, alguns profundamente enraizados na história, que hoje não são mais interpretados da mesma maneira e cuja mensagem geralmente não é percebida. adequadamente. Eles podem ser lindos, mas agora não prestam o mesmo serviço para transmitir o Evangelho. Não tenhamos medo de revê-los. Da mesma forma, existem normas ou preceitos eclesiais que podem ter sido muito eficazes em outros tempos, mas que não têm mais a mesma força educacional dos canais da vida.”


Para demonstrar que a infiltração modernista no topo da Igreja está muito antes de Bergoglio, vou agora fornecer uma citação do cardeal Montini de quando ele ainda era arcebispo de Milão. É necessário entender que o culto ao homem, concebido como um deus na evolução evolucionária, é característico da gnose luciferiana -os "vocês serão como deuses" de Gênesis-, em qualquer uma de suas múltiplas variantes -cabalista, hegeliana, teilhardiana, etc.- e que o Vaticano é governado por gnósticos modernistas desde a eleição de Roncalli, em outubro de 1958. As novidades ecumênicas e inter-religiosas introduzidas na Igreja a partir de então, praticadas com absoluta coerência e continuidade por todos os papas conciliares , eles demonstram isso de maneira confiável.

A citação do cardeal Montini é retirada de uma conferência intitulada Religião e Obra, realizada em 27 de março de 1960 em Turim, no Teatro Alfieri, que pode ser lida no volume da Documentação Católica de 1960, na página 764, correspondente no número 133, e publicado em 19 de junho de 1960. Dou a referência em grande detalhe para aqueles que não podiam acreditar em seus olhos, e não sem razão, a tal ponto que suas declarações são desanimadoras.

Aqui estão as palavras de quem, três anos depois, se tornaria "papa" e que, em 1965, publicaria os documentos revolucionários da CVII:

“Será que o homem moderno um dia, à medida que seus estudos científicos progridem e descobrem leis e realidades ocultas sob a face muda da matéria, não ouve a maravilhosa voz do espírito que palpita nela? Essa não é a religião de amanhã? O próprio Einstein previu a espontaneidade de uma religião do universo.”

O espírito que "palpita" na matéria, a "religião do amanhã", que seria uma "religião cósmica", uma "religião do universo": aqui estão os fundamentos da gnose evolucionária teilhardiana, com o culto do homem a caminho de divinização. Como se isso não bastasse, que um cardeal da Igreja invoque em assuntos religiosos a autoridade de um judeu socialista que reivindicou uma "religiosidade cósmica" fundada na contemplação da estrutura do Universo, compatível com a ciência positivista e refratária a todos os dogmas ou crença, é para ser atordoado.

Quando o rabino Herbert S. Goldstein perguntou a ele em 1929: "Você acredita em Deus?", Einstein respondeu:

"Acredito no Deus de Spinoza, que se revela na ordem harmoniosa do que existe, não em um Deus que se preocupa com o destino e as ações dos seres humanos."

E em uma carta de 1954 ao filósofo judeu Eric Gutkind, Einstein escreveu:

“Para mim, a palavra Deus nada mais é do que a expressão e o fruto das fraquezas humanas, e a Bíblia é uma coleção de lendas, realmente honráveis, mas primitivas e bastante infantis. E isso não é alterado por nenhuma interpretação, por mais sutil que seja.”

O que quer dizer que o Deus de Einstein não é outro senão a Deus sive natura do filósofo judeu Baruch Spinoza, que em sua doutrina panteísta identificou Deus com a natureza. Essa é a "religião do universo" que Einstein professou e que o cardeal Montini evoca com admiração em sua conferência, e em quem o futuro pontífice é inspirado a prever uma "religião do futuro" destinada a um dia tomar o lugar do cristianismo.

Quando se pensa que este homem logo em seguida seria eleito Sucessor de São Pedro, e que ele mais tarde divulgaria os novos documentos do CVII, aboliria a Missa Católica, inventaria um novo com a contribuição de "especialistas protestantes" e modificaria a ritual de todos os sacramentos, é como estar petrificado...

Aqui está outra declaração de Montini, Paulo VI, que já está indo na mesma direção, proferida durante o Ângelus em 7 de fevereiro de 1971, por ocasião de uma viagem à lua, e que constitui um verdadeiro hino ao homem a caminho de divinização:

"Honra ao homem, honra ao pensamento, honra à ciência, honra à técnica, honra ao trabalho, honra à audácia humana; honra à síntese da atividade científica e do senso de organização do homem que, diferentemente dos outros animais, sabe dar à mente e às mãos instrumentos de conquista; honra ao homem, rei da terra e hoje também príncipe do céu.”

Esse culto à humanidade e ao progresso foi condenado inúmeras vezes pelo magistério. Cito um trecho da encíclica Qui pluribus de Pio IX, de 1846, seguida de uma proposição condenada em seu Syllabus de 1864:

"Não menos ousados e enganosos, Veneráveis Irmãos, esses inimigos da revelação divina exaltam o progresso humano e, de forma imprudente e sacrílega, querem introduzi-lo na religião católica, como se a religião não fosse obra de Deus, mas de homens ou de alguma outra natureza." Invenção filosófica que é aperfeiçoada com métodos humanos.”

“V. A revelação divina é imperfeita e, portanto, está sujeita a progresso contínuo e indefinido, correspondente ao progresso da razão humana.”


Pio IX é muito claro em relação aos "progressistas": ele usa a expressão "inimigos da revelação divina". Que melhor qualificação poderia ser encontrada para designar um cardeal e arcebispo da Igreja que tira proveito de sua eminente dignidade eclesiástica para espalhar a idéia blasfema e herética de que uma suposta "religião do amanhã" irá um dia suplantar o catolicismo? Este homem é chamado Giovanni Battista Montini. Para ele, na companhia de seu mentor, o promotor do "aggiornamento" da Igreja, Angelo Giuseppe Roncallow deve ao CVII, a destruição da liturgia romana e a terrível crise que atormenta a Igreja há mais de meio século.

Voltando a Bergoglio, e sua afirmação de que a "única certeza" que temos é que "somos todos filhos de Deus". Isso supõe que a graça divina é inerente à natureza humana, que é, como já vimos, uma concepção panteísta de coisas, na qual a distinção entre Criador e criaturas e entre natureza e graça é abolida. O que obviamente tem conseqüências devastadoras para o cristianismo e a revelação bíblica, uma vez que as noções básicas de criação, pecado original, redenção, condenação, salvação etc. são automaticamente desprovidas de significado.

Para concluir, inúmeras passagens da Sagrada Escritura ou de documentos do Magistério da Igreja que provam o caráter falacioso dessa afirmação bergogliana podem ser citadas. Por uma questão de brevidade, nos limitaremos a dar apenas um compromisso. Vamos ler, então, o que o Espírito Santo nos deu a conhecer a esse respeito, através do discípulo amado, no prólogo de seu Evangelho:

“Ele veio sozinho, e o seu próprio não o recebeu. Mas para todos que o receberam, para aqueles que creram em seu nome, ele deu autoridade para se tornar filho de Deus; que não são gerados por sangue, nem pela vontade da carne, nem pela vontade do homem, mas por Deus". (Jo. 1, 11-13)

Após essa digressão prolongada, porém necessária, voltemos agora ao nosso "Alto Comitê". Esta enteléquia Bergogliana se reuniu em 20 de setembro de 2019 em Nova York, onde anunciou o projeto de uma Casa da Família Abraâmica a ser construída em Abu Dhabi, que incluirá uma igreja, uma sinagoga e uma mesquita, financiado pelo governo dos Emirados , cuja inauguração está prevista para o ano de 2022:

"Os três diferentes locais de culto serão unidos por fundações únicas e localizados dentro de um jardim: uma imagem de grande importância para cada uma das três principais religiões do mundo".

A esse respeito, o cardeal Ayuso, que preside a comissão, afirmou que “esse esforço constitui um momento profundamente comovente para a humanidade. Embora, infelizmente, o mal, o ódio e as diferenças cheguem às manchetes, há um mar oculto de bondade que cresce e alimenta nossa esperança no diálogo, no conhecimento mútuo e na possibilidade de construir, das mãos de Deus. fiéis de outras religiões e com todos os homens e mulheres de boa vontade, um mundo de irmandade e paz.”

No site do "Alto Comitê", explica-nos que "a Casa da Família Abraâmica será um farol de entendimento mútuo, coexistência harmoniosa e paz entre pessoas de fé e boa vontade. Consiste em uma mesquita, igreja, sinagoga e centro educacional (…) Através de seu design, captura os valores compartilhados entre judaísmo, cristianismo e islamismo e também serve como uma plataforma poderosa para inspirar e promover a compreensão e aceitação entre pessoas de boa vontade.”

O próprio cardeal Ayuso enviou aos muçulmanos uma calorosa saudação pelo Ramadã em 17 de abril:

"Caros irmãos e irmãs muçulmanos: O mês do Ramadã é central para sua religião e, portanto, muito querido para você em nível pessoal, familiar e social. É um tempo de cura e crescimento espiritual, de compartilhar com os pobres, de fortalecer os laços com parentes e amigos. Para nós, seus amigos cristãos, é um momento auspicioso para fortalecer ainda mais nossos relacionamentos com você, cumprimentando-o, conhecendo-o nesta ocasião e, quando possível, compartilhando um iftar com você. O Ramadã e 'Jd al-Fitr são, portanto, ocasiões especiais para promover a irmandade entre cristãos e muçulmanos. Nesse espírito, o Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-religioso oferece a você os melhores votos de oração e os sinceros parabéns.”

Na defesa parcial de Ayuso por sua mensagem aberrante, que confirma os infiéis em seus erros ao legitimar sua adoração idólatra, vale a pena notar que esse tipo de parabéns enviado pelo Vaticano às "grandes tradições religiosas" do planeta por ocasião de suas "festividades" religioso "é algo praticado há décadas, de acordo com o falso ecumenismo, a falsa liberdade religiosa e o falacioso" diálogo inter-religioso ", sub-repticiamente introduzido na Igreja pelos modernistas nos documentos Unitatis Redintegratio, Dignitatis Humanae e Nostra Aetate do CVII e depois extensivamente desenvolvido no subsequente "magistério conciliar", conduzindo às abomináveis e ímpias reuniões inter-religiosas de Assis, convocadas sucessivamente por Wojtyla, Ratzinger e Bergoglio.

Por outro lado, o "Alto Comitê" propôs à ONU que, em 4 de fevereiro, data em que o acordo de Abu Dhabi fosse assinado, fosse proclamado o Dia Mundial da Fraternidade Humana, que certamente desempenhará o papel de partido central da novo "culto humanista" no processo de implementação e do qual é possível prever que o próprio Bergoglio se encarregará da "animação espiritual":

"Para alcançar os objetivos contidos no Documento sobre Fraternidade Humana, os membros do Comitê Superior entregaram ao Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, uma mensagem do Papa Francisco e do Grande Imame de Al-Azhar Ahmed Al-Tayyeb, em que propõem que o dia 4 de fevereiro seja declarado Dia Mundial da Fraternidade Humana. 4 de fevereiro é o dia em que o Documento sobre Irmandade Humana para a Paz e Coexistência Mundial foi assinado em Abu Dhabi pelo Pontífice e pelo líder muçulmano Al-Tayyeb, comemorado de 3 a 5 de fevereiro de 2019."

Naturalmente, para que a “celebração da humanidade” seja completa, não poderia faltar sua “cúpula mundial”, não será uma questão de deixar algumas franjas soltas no projeto e que as pessoas não terminem de entendê-lo adequadamente: será necessário "oficialmente" ajuste os parâmetros organizacionais do novo culto, para dar credibilidade e legitimidade à opinião pública e estabelecer comunicação apropriada sobre seu conteúdo e seus objetivos, para persuadir os refratários dos benefícios que o monstro tem:

"O cardeal Ayuso e Muhammad Abd al Salam, representando o Comitê Superior (...), se reuniram ontem em Nova York com o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, para propor a ele que declare o dia mundial da fraternidade em 4 de fevereiro Humano. (…) Eles entregaram a Guterres uma cópia da mensagem assinada pelo Papa Francisco e pelo Grande Imame de Al-Azhar, na qual as Nações Unidas são convidadas a participar em um futuro próximo, juntamente com a Santa Sé e Al-Azhar, na organização, de uma Cúpula Mundial da Fraternidade Humana.”

É animador saber que a reação do Secretário-Geral à proposta bergogliana foi positiva e é reconfortante saber que não será menos que o "Alto Inquisidor Onusino" contra o Hate Speech, que ficará encarregado de planejar e executar tão meritória empresa: pessoas recalcitrantes podem ser avisadas...

“António Guterres expressou o seu apreço e disponibilidade pela iniciativa, salientando a importância de trabalhar ao serviço de toda a humanidade. Além disso, ele nomeou Adama Dieng, assessor especial do Secretário-Geral das Nações Unidas para o Discurso de Ódio e a Prevenção de Genocídio, como representante das Nações Unidas para acompanhar as atividades propostas e colaborar com o Comitê Superior.”

A este projeto, que visa a unificação das religiões do mundo, Francisco acrescentou, em 12 de setembro de 2019, o da unificação da educação, sem distinções religiosas, políticas ou culturais. Ele o fez através de uma mensagem na qual convidou o lançamento do Pacto Educacional Global, a ser realizado em Roma, em 14 de maio. A nomeação foi adiada para o mês de outubro, devido ao coronavírus, mas a data divulgada foi rapidamente coberta pelo Dia de Oração e Jejum pela Humanidade, convocado pelo "Alto Comitê" de Bergoglio.

Na mensagem de anúncio de 12 de setembro, Francisco afirma que o objetivo é renovar "a paixão por uma educação mais aberta e inclusiva, capaz de ouvir pacientes, diálogo construtivo e entendimento mútuo"; que as mudanças sociais precisam “de um caminho educacional que envolva todos; que é necessário “construir uma vila de educação onde o compromisso de gerar uma rede de relações humanas e abertas seja compartilhado na diversidade”; e essa aliança educacional deve ser uma fonte de "paz, justiça e boas-vindas entre todos os povos da família humana, bem como de diálogo entre religiões".

Aqui estão algumas expressões-chave usadas por Bergoglio em seu discurso:

Desafios que nos desafiam - educação mais aberta e inclusiva - construção do futuro do planeta - amadurecimento de uma nova solidariedade universal - construção de uma vila educacional - colocação da pessoa no centro - tudo está intimamente conectado - rejeição da cultura do descarte - compor um novo humanismo - dinâmica que dê sentido à história - iniciar processos de transformação - cultivar o sonho de um humanismo solidário.

Estamos diante do mesmo vocabulário naturalista, diante da fraseologia humanística e evolutiva clássica usada sistematicamente por Bergoglio, sem visão sobrenatural e especificidade cristã. Um projeto maçônico que defendia a paz social e a irmandade humana não se distinguiria essencialmente do projeto educacional elaborado pelo suposto vigário de Cristo na terra.

Esse projeto já é horizontal e imanente, mas que, para piorar a situação -se possível- inclui também a participação, entre outros, de representantes das diferentes religiões do mundo e das várias organizações internacionais, esta última, todas secularistas com formação maçônica, como é bem conhecido.

De fato, no comunicado de 3 de março em que a Congregação para a Educação Católica anunciou o adiamento do evento, somos informados de que o Pacto Educacional Global "não se limita às instituições escolares e acadêmicas, mas com a convicção de que o compromisso educacional deve ser compartilhado por todos envolve representantes de religiões, organizações internacionais e várias instituições humanitárias, do mundo acadêmico, econômico, político e cultural.”

Este pacto educacional tem precedentes no Scholas Occurrentes, as "Escolas de Encontro", uma organização de direito pontifício, uma rede internacional de escolas criada por Francisco em agosto de 2013, presente em 190 países e com mais de 400.000 centros educacionais.

É uma instituição educacional secular, "neutra" em assuntos religiosos, que trabalha ativamente em conjunto com os globalistas e maçons da ONU e da UNICEF. Um ensinamento em que Jesus Cristo é notável por sua ausência e em que "valores humanos" são ensinados, como "encontro", "diversidade", "consciência ambiental", "não discriminação" etc.

O emblema de Scholas Ocurrentes é a Oliveira da Paz, cuja plantação em todo o mundo é promovida com o objetivo de promover o respeito à “diversidade cultural e inter-religiosa”, através da “Campanha das Oliveiras”, real e virtual, em eventos artísticos e esportivos. Scholas se dedica a conduzir campanhas de "conscientização de valores", disseminar "paz no mundo" e promover redes educacionais de "todas as culturas, crenças e modalidades".

Ao contrário do que se possa imaginar, o objetivo dessa organização educacional de natureza pontifícia não é a evangelização da juventude: Jesus Cristo não é mencionado nem uma vez em seu site. Isso nos explica que:

“Desde o início, o Papa Francisco sonhava com Scholas como a possibilidade de dar uma resposta concreta ao chamado dessa época, conferindo-lhe a tarefa de educar em abertura ao outro, em ouvir as peças de um mundo atomizado e vazio de Nesse sentido, comece a criar uma nova cultura: a Cultura do Encontro.”

Vamos ver o que Francisco disse aos alunos das “Escolas para o Encontro” por videoconferência em setembro de 2014:

"Encorajo-vos a continuar trabalhando para criar esta vila humana cada vez mais humana que oferece às crianças um presente de paz e um futuro de esperança (...) Há duas coisas opostas que podem ser feitas na vida: construir pontes ou construir paredes. As paredes se separam, se dividem. Pontes se aproximam (…) Com essa comunicação, ninguém governa, mas tudo funciona: é a espontaneidade da vida, está dizendo sim à vida (…), está evitando todas as formas de discriminação (…) vejo que você sabe como se comunicar identidade da própria religião e isso é legal (...) Estamos convencidos de que a juventude precisa se comunicar, mostrar e compartilhar seus valores. A juventude precisa de três pilares fundamentais: educação, esporte e cultura. O esporte salva do egoísmo, ajuda a não ser egoísta. Por isso, é importante trabalhar em equipe, estudar em equipe e seguir o caminho da vida em equipe (…) Faça o futuro!”

Como pode ser visto, a mensagem de Francisco é de uma ordem puramente natural, lembrando mais um manual de auto-ajuda da “nova era” do que um ensinamento apostólico: plantar mudas de paz, organizar jogos de futebol inter-religiosos, combater o desemprego juvenil, promover diálogo entre religiões, promoção da "cultura do encontro", criação de uma "vila humana" com paz e esperança, combate à "discriminação", "o futuro está em nossas mãos", "o esporte nos salva do egoísmo" , "Vamos caminhar pela vida em equipe", "a juventude deve fazer o futuro", "construímos pontes, não construímos muros", "comunicamos experiências", "entramos na espontaneidade da vida", etc.

O fato de a educação católica das crianças não ter importância para Francisco é um fato do conhecimento público, pois ele não tem escrúpulos em proclamar isso aos quatro ventos.

Vamos ver o que, embora ainda seja o principal cardeal da Argentina, Bergoglio disse em 2010 ao rabino Skorka:

"A religião deve fazer parte da educação na escola, como mais um elemento da ampla variedade fornecida nas salas de aula".

E então, em julho de 2013, para um jornalista da televisão brasileira durante a JMJ no Rio de Janeiro:

“Se uma criança recebe educação de católicos, protestantes, ortodoxos ou judeus, isso não me interessa. O que me interessa é que eles o educem e tirem sua fome.”

O indiferentismo religioso constitui a quintessência da ideologia subversiva, anticristã e iluminista da Maçonaria e de suas diferentes subsidiárias da ONU e dos humanistas de direita. Indiferentismo que, nos tempos modernos, adota a figura do "princípio do secularismo", sob o pretexto da suposta "neutralidade" que o Estado deve observar em matéria de culto, bem como a falsa "neutralidade" religiosa da escola e da comunidade universitaria em educação infantil e juvenil.

Agora, é nessa ímpia "neutralidade" acadêmica, neste abominável ensino "secular", nessa indiferença de princípio em relação a Jesus Cristo e em relação à verdadeira religião, que se baseia o projeto bergogliano da rede de "Escolas para o encontro". Não temos medo de errar se prevermos que seu pretensioso "Pacto Educacional Global" não se afasta nem um pouco desse falso princípio, embora certamente adicione uma formação ecumênica ao "diálogo inter-religioso" e à "cultura do encontro"...

Esse indiferentismo religioso e relativismo moral que Francisco professa também se reflete nas seguintes afirmações, que cito para que não haja dúvidas:

“O proselitismo é uma loucura solene, não faz sentido. É necessário conhecer um ao outro, ouvir um ao outro e fazer crescer o conhecimento do mundo ao nosso redor. Ocorre-me que, depois de um encontro, quero ter outro, porque novas idéias nascem e novas necessidades são descobertas. Isso é importante, conhecer um ao outro, ouvir, expandir o quadro de pensamentos.”

“Nosso objetivo não é proselitizar, mas ouvir necessidades, desejos, decepções, desespero e esperança. Devemos dar esperança aos jovens, ajudar os idosos, abrir-nos para o futuro, espalhar amor. Pobres entre os pobres. Nós devemos incluir os excluídos e pregar a paz.”

“Todo ser humano tem sua própria visão do bem e do mal. Nossa tarefa é incentivá-lo a seguir o caminho que considera bom (...) não hesito em repeti-lo: cada um tem sua própria concepção de bem e mal, e cada um deve optar por seguir o bem e combater o mal de acordo com sua própria idéia. Isso seria suficiente para mudar o mundo.”


Em relação ao secularismo, em 1º de março de 2016, em uma reunião com os Poissons Roses, socialistas franceses que se declararam "de inspiração cristã", Francisco disse o seguinte:

"O seu secularismo está incompleto. A França deve se tornar um país mais secular. É necessária uma laicidade saudável (...) Uma laicidade saudável inclui uma abertura a todas as formas de transcendência, de acordo com as diferentes tradições religiosas e filosóficas. Além disso, até um ateu pode ter uma interioridade.”

Francisco reivindica, assim, todas as formas de “espiritualidade”, qualquer que seja, a ponto de até reivindicar a dos ateus, atribuindo ao Estado o papel de garante dessa suposta “liberdade religiosa” que seria uma fonte de riqueza para a sociedade.

Em 27 de julho de 2013, durante discurso dirigido à classe dominante no Brasil, Francisco elogiou a laicidade do Estado e o pluralismo religioso nos seguintes termos:

“A contribuição das grandes tradições religiosas é fundamental, elas desempenham um papel frutífero de fermentação na vida social e na animação da democracia. A coexistência pacífica entre as diferentes religiões é beneficiada pelo secularismo do Estado, que, sem assumir nenhuma posição confessional, respeita e valoriza a presença do fator religioso na sociedade, favorecendo suas expressões específicas.”

E em 16 de maio de 2016, durante uma entrevista concedida ao diário tradicional (ex) Catholic La Croix, Francisco argumentou que

“o Estado deve ser secular. Estados denominacionais terminam mal. É algo que vai contra a história.”

É realmente doloroso -e, para dizer a verdade, totalmente surreal- para um simples leigo, ter que refutar continuamente as falácias proferidas pelo suposto "Vigário de Cristo". Digamos simplesmente, circunscrevendo-nos a esta última nomeação, que a sociedade politicamente organizada, isto é, o Estado, deve professar a verdadeira religião e obedecer às suas leis: é a revelação divina e o magistério eclesiástico que a ensina. Por outro lado, se os Estados católicos "terminaram mal", no único sentido em que desapareceram, isso não se deve ao catolicismo, mas aos ataques incessantes de seus inimigos, externos e internos. Por fim, dizendo que os Estados confessionais "vão contra a História", Francisco professa um determinismo histórico filosófica e teologicamente aberrante, pois nega a liberdade do homem e, sobretudo, a da divina Providência, caindo em uma gnose panteísta e evolucionário semelhante ao de Hegel e Teilhard de Chardin.

Limitarei-me a citar apenas duas passagens do magistério para demonstrar a radical falsidade das declarações bergoglianas, bem como da declaração conciliar Dignitatis Humanae, a propósito. É o que Leão XIII diz em sua encíclica Inmortale Dei, de 1885:

"Com base nesses princípios, é evidente que o Estado tem o dever de cumprir por meio do culto público as numerosas e importantes obrigações que o unem a Deus. A razão natural, que ordena que cada homem adore a Deus piedosamente e santo, porque dependemos dEle, e porque, deixando-O, devemos retornar a Ele, impõe a mesma obrigação à sociedade civil. [...] O Estado tem uma obrigação estrita de admitir o culto divino da maneira que o próprio Deus deseja ser venerado. É, portanto, uma grave obrigação das autoridades honrar o santo nome de Deus. Entre suas principais obrigações, eles devem colocar a obrigação de favorecer a religião, defendê-la efetivamente, colocá-la sob a proteção das leis, e não legislar nada que seja contrário ao seu descumprimento.” § 3

A segunda citação é retirada de Quas Primas, a encíclica pela qual Pio XI instituiu a solenidade de Cristo Rei em 1925:

"A celebração desta festa, que será renovada todos os anos, também ensinará às nações que o dever de adorar publicamente e obedecer a Jesus Cristo não apenas obriga indivíduos, mas também magistrados e governantes. Isso será lembrado pelo pensamento do julgamento final, quando Cristo, tanto por ter sido expulso do governo do Estado quanto por ter sido ignorado ou menosprezado, vingará terrivelmente todos esses ferimentos; pois sua dignidade real exige que toda a sociedade se conforme com os mandamentos divinos e os princípios cristãos, ore no estabelecimento de leis, ore na administração da justiça, ore finalmente na formação da alma dos jovens em sã doutrina e na retidão dos costumes." § 33

Vamos recapitular. O Vaticano, com Francisco à frente, é totalmente dedicado à tarefa de unificar as várias religiões do mundo e da humanidade como um todo, promovendo o indiferentismo religioso e professando sem sombra de sombra o humanitarismo naturalista e secular concebido nas lojas maçônicas.

Lembremos, antes de concluir este relatório, quais são as principais organizações e documentos mencionados em relação a esse processo de globalização em andamento, a fim de ter uma visão geral dos atores e eventos que participam dessa dinâmica globalista liderada pelo Vaticano, em estreita colaboração com as Nações Unidas.

Isso nos dará uma imagem de síntese, uma perspectiva sobre o assunto talvez ainda mais eloquente do que a multiplicidade de citações e referências contidas nas páginas anteriores:

Documento sobre a Fraternidade Humana pela Paz Mundial e Coexistência Comum

Assessor Especial do Secretário-Geral das Nações Unidas para o Discurso de Ódio

Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-Religioso

Cúpula Mundial da Fraternidade Humana

Alto Comitê para a Fraternidade Humana

Dia de oração e jejum pela humanidade

Congregação para a Educação Católica

Dia Mundial da Fraternidade Humana

Secretário-Geral das Nações Unidas

Casa da Família Abraâmica

Pacto Educacional Global

Escolas para a Reunião

Campanha Olive

Oliveira da paz

Unesco

ONU


Concluindo, transcrevo uma passagem da Súplica a São Miguel Arcanjo, escrita por Leão XIII em 1890, pois acredito que seu conteúdo se aplica literalmente à situação que estamos vivendo atualmente:

“Os inimigos mais astutos encheram a Igreja, esposa do Cordeiro Imaculado, com amargura, deram-lhe absinto para beber, puseram as mãos perversas em tudo que lhe era mais querido. Onde a Sé de São Pedro e a Cadeira da Verdade foram estabelecidas como uma luz para as nações, elas ergueram o trono da abominação da impiedade, para que, quando o Pastor for atingido, o rebanho possa ser disperso. Oh, campeão invencível, ajude o povo de Deus contra a perversidade dos espíritos que os atacam e lhes dão vitória!”

Para maior informação:

www.amazon.com/Kindle-Store-Miles-Christi/s

saint-remi.fr/fr/35-livres
Miles - Christi
Para mais informações sobre o pontificado de Francisco, você pode consultar os livros Três anos com Francisco: a impostura Bergogliana e Quatro anos com Francisco: a medida está completa, publicada pela Éditions Saint-Remi, em quatro idiomas (espanhol, inglês, francês e italiano): saint-remi.fr/fr/35-livres - www.amazon.fr/Boutique-Kindle-Miles-Christi/s
Miles - Christi
Bom Dia. Você poderia postar o seguinte artigo? Agradeço muito sua gentileza. Uma cordial saudação em Cristo e Maria.
O Vaticano promove apostasia e uma religião global