Clicks172
pt.news

Um argentino sabe por que Francisco recusou a renúncia do cardeal Marx

Os césares ordenaram que aqueles que caíram em desgraça cometessem suicídio, os peronistas forçaram-nos a cometer suicídio lentamente, proibindo-os de renunciar, escreve Caminante-Wanderer.Blogspot.com (14 de junho).

Para o blog, “a perversidade do poder assume muitas formas”, e Francisco seguiu a tradição peronista mais uma vez ao recusar a renúncia do Cardeal Marx de Munique.

Esta foi uma contra-jogada maquiavélica, escreve Caminante, contra o maquiavelismo do alemão ingênuo que queria renunciar para ser livre para promover o rebelde Sínodo Alemão. No entanto, Bergoglio desarmou Marx - que não pode mais ameaçar renunciar - forçando-o a se aliar a Roma.

Assim, Marx foi neutralizado, enfraquecido, esvaziado: “Como pode ele, a quem o próprio Papa ratificou, representar agora os revolucionários?” questiona o blog. Com um único golpe certeiro, Bergoglio liquidou Marx e deixou um zumbi em seu lugar, confiando-lhe uma “missão suicida”.

Caminante reconhece que Bergoglio - uma pessoa “oca” e “frívola” - é um mestre desses “pequenos truques”. Como uma aranha, ele tece todas as intrigas possíveis, impedindo que seu poder seja discutido. O blog antecipa uma luta espetacular, cheia de jogo sujo, e uma vitória de Francisco sobre os ingênuos bispos alemães.

Em 7 de junho, Caminante escreveu que os alemães são um problema real para Francisco. Eles o levaram ao poder, mas quando quiseram que ele pagasse a dívida - sacerdócio feminino, homossexualismo etc. - “perceberam que Bergoglio não paga suas dívidas - como a Argentina”.

Portanto, decidiram receber o que lhes era devido por meio do sínodo. Mas Francisco publicou sua Constituição Apostólica de 1º de junho decretando que um bispo que tenta “ordenar” uma mulher é automaticamente excomungado e pode ser demitido do estado clerical - a penalidade mais severa que a Igreja pode infligir. Para Caminante, é evidente que Francisco dirigiu isso aos bispos alemães.

Fotografia: Reinhard Marx, © Mazur, CC BY-NC-SA, #newsEwxntzuvbo