Clicks237
pt.news

Filho do ex-primeiro-ministro polonês é reduzido ao estado laical

Tymoteusz Szydło, que foi ordenado sacerdote em maio de 2017 para a diocese de Bielsko-Żywiec, na Polônia, foi laicizado.

Sua ordenação encontrou um grande interesse da mídia, já que sua mãe, Beata, era a primeira-ministra polonesa na época. A primeira missa de Szydło foi transmitida pela católica TV Trwam e assistida por importantes políticos poloneses. O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, protestante, escreveu uma carta de congratulações. Szydło também celebrou uma missa no Rito Antigo.

Em setembro de 2019, ele iniciaria o seu ministério na paróquia de São Maximiliano, o Mártir, em Oswiecim (Auschwitz), mas em agosto anunciou que havia obtido uma licença. Em dezembro, declarou que deixaria o sacerdócio.

Szydło explicou em um comunicado: "Minha reputação de padre está abalada por boatos e especulações. Também fico triste em dizer que não fui capaz de superar minha crise de fé e vocação".

Em março, seu nome desapareceu da lista de padres que fica disponível no site da diocese de Bielsko-Żywiec. Um porta-voz da diocese recusou-se a comentar, dizendo que isso deveria ser perguntado diretamente a Szydło, “ou mais precisamente, ao advogado dele - é assim que ele deseja”.

No passado, o advogado de Szydło, Maciej Zaborowski, negou boatos de que seu cliente "tinha um filho" e ameaçou com uma ação civil aqueles que espalhavam fofocas sobre a vida privada de Szydło.

Agora, Szydło trabalha na Bieruń ERG-Folie, fabricante de filmes de polietileno, cujos acionistas são Daniel Obajtek, um político e empresário polonês, e a mãe de Szydło.

#newsLygbnwxclr