Clicks1.4K

Mais um Sacerdote Declara Francisco Excomungado

Peço humildemente àqueles que têm a possibilidade de dar a máxima difusão a este meu escrito, liberando-os ao mesmo tempo de qualquer responsabilidade pessoal pelo conteúdo, para que ele possa realmente chegar aos seus destinatários, em particular:

À Sua Santidade o Papa Bento XVI, a todos os bispos e fiéis leigos da Igreja Católica, a todos os homens de boa vontade,

Eu, Francesco d'Erasmo, nascido em Milão em 29 de janeiro de 1974, batizado em 10 de fevereiro de 1974, ordenado presbítero da Santa Igreja Católica Apostólica Romana em La Storta em 26 de junho de 1999, residente em Tarquinia, VT, no conhecido endereço, em plena posse de minhas faculdades, depois de ter durante muitos anos ponderado diante de Deus este passo, plenamente consciente das conseqüências que ele pode acarretar,

na renovação da minha fé, professada por meus pais e padrinhos no meu Batismo, renovada por mim mesmo na minha Ordenação Diaconal e Presbiteral, no recebimento do ofício de Pároco em 2017, como em todo o exercício do meu ministério a serviço da Santa Igreja Católica, anterior e posterior, também por carta e publicamente,

Preciso explicitamente que renovo a minha Profissão de Fé Obrigatória, de acordo com a fórmula exigida para quem assume um Ofício na Igreja, de acordo com as normas dos Cânones, em particular, renovo explicitamente o que me propus jurar no chamado Juramento Anti-Modernista, prescrito por São Pio X em 1º de setembro de 1910,

e especificar explicitamente o seguinte, como parte integrante e inseparável da minha profissão de fé.

Reconheço diante de Deus que não posso mais permanecer em silêncio ou mesmo na alusão implícita ao que venho aqui declarar. Peço perdão a Deus e aos homens se minha hesitação até agora tinha sido culpada, embora animada pela boa fé, por medo de que as conseqüências desse ato para o bem da Igreja não fossem boas.

Não posso mais manter em silêncio a certeza do que Deus mostra aos olhos da minha inteligência e do meu coração, da minha consciência, senão seria cúmplice do mal que se segue:

RECONHEÇO E DECLARO

PUBLICAMENTE DIANTE DE DEUS E DE TODOS OS HOMENS

QUE

Aquele que atualmente se senta na Cátedra de Pedro com o nome atribuído a si mesmo de Francisco,

Jorge Mario BERGOGLIO,

NÃO PERTENCE À COMUNHÃO DA SANTA IGREJA CATÓLICA, ELE É ANÁTEMA, EXCOMUNGADO, PORTANTO NÃO É O VERDADEIRO PAPA DA IGREJA CATÓLICA.


Estou ciente de que só Deus tem autoridade para destituir um pontífice.

Lembro, porém, que qualquer pessoa na Santa Igreja que caia na heresia perde, por isso, seu Ofício.

Jorge Mario Bergoglio tem incorrido em inúmeras heresias gravíssimas, chegando ao ponto de apostasia da fé, através de declarações e documentos por ele publicados e declarações a ele atribuídas e não desmentidas, ainda que não pronunciadas "ex cathedra", confundindo com tais atos a fé dos fiéis, abusando da fé e da obediência que têm para com o legítimo Sucessor de Pedro, tolerando, nutrindo e encorajando na prática da Igreja heresias e pecados contra a Moral Católica, e mais grave ainda, chegando à apostasia, e muitas vezes punindo aqueles que se opõem a tudo isso.

Recordo entre os mais recentes o grave pecado da idolatria no culto à veneração de um ídolo pagão cometido na Basílica de São Pedro em sua presença, nunca negado ou repudiado por ele, que de fato deplorou e repudiou publicamente aqueles que publicamente se opuseram a tal grave sacrilégio.

Lembro-me da negação da Divindade de Jesus Cristo e do Inferno em entrevistas publicadas em seu nome e nunca negadas claramente.

Lembro-me da negação pública e solene de Jesus Cristo, o Único Salvador dado por Deus aos homens.

Agradeço a Deus por me ter dado a certeza da improrrogabilidade deste meu ato através dos acontecimentos destes dias e da liturgia de hoje, como venho a descrever, não para justificar-me, mas como auxílio a quem queira conhecer a verdade.

A insinuação insidiosa de que existe uma autoridade que possa isentar os fiéis do preceito pascal é, na verdade, o pecado de idolatria mais grave já visto.

Coloca a autoridade de Deus abaixo de outra autoridade bem no centro do Culto devido a Deus pela Santa Igreja Católica para a santificação dos fiéis.

O homem se coloca acima do próprio Deus!

Este pecado já estava presente em muitos outros atos de Bergoglio, especialmente no que diz respeito à disciplina do acesso aos Sacramentos e ofícios eclesiásticos, mas era sempre possível, para aqueles que assim desejassem, não colaborar pessoalmente com tais sacrilégios.

Nesse momento, o seu exercício abusivo da Autoridade, conferida pelo próprio Cristo a Pedro para confirmar a fé dos irmãos, resulta que os fiéis também foram fisicamente impedidos de poder obedecer à ordem de Deus, santificando a Páscoa.

E isto em virtude de uma suposta obediência a um poder político, que no entanto não tem autoridade legítima sobre atos de culto.

Nesta situação é evidente que um bispo vestido de branco se encontra no papel de Nabucodonosor diante das três crianças, criando uma confusão sem precedentes na consciência dos fiéis.

Esta é a abominação da desolação.

Isto não pode ser reconhecido de outra forma que como uma grande apostasia da Verdade e da Fé, que ocorre por causa da responsabilidade direta daquele que o mundo vê como o Sucessor de Pedro, Vigário de Cristo.

Isso é negar que só Jesus é o Caminho, a Verdade e a Vida e, portanto, é negar que Ele é Deus, "o Filho de Deus encarnado".

Proteger, ou presumir proteger, a saúde ou o respeito pela ordem política (ou talvez proteger de perigos que são secretamente ameaçados e o Povo de Deus não sabe) nunca será mais importante do que proteger os fiéis da desobediência a Deus!

Jesus não comandou isto. Quem não dá a Deus o que é de Deus, não pode sequer dar a César o que é de César. Aquele dá a César dá o que é de Deus.

Jesus não fez isso!

Estou ciente de que nesta situação é difícil ver uma solução. Por outro lado, não cabe a mim procurar uma, já que não tenho autoridade para isso.

Mas lembro aos que têm essa autoridade, antes de tudo, que "nada é impossível a Deus".

Lembro-me também que "se se calarem, as pedras gritarão". Algumas pedras já gritaram, mas a hierarquia da Igreja parece ter sido surda em muitos de seus membros. Esperemos que não gritem novamente!

Aos fiéis que reconhecem a verdade do que eu digo, mas que estão perplexos com as conseqüências, lembro que o Senhor prometeu que jamais abandonará Sua Igreja. O primeiro que nos anunciou a vinda destes acontecimentos é Jesus no Evangelho, e tudo o mais no Novo Testamento nos diz que dentre nós se levantariam os inimigos da verdadeira fé.

Especifico que os sacramentos administrados dentro da Igreja Católica permanecem válidos, assim como são válidos há séculos os administrados em outras Igrejas que entretanto não gozam de plena comunhão com o legítimo Sucessor de Pedro.

Assim também atos de governo, que, mesmo não sendo válidos, podem sempre ser sanados ou, em qualquer caso, corrigidos por outros atos válidos.

A Santa Igreja é fundada sobre a fé do Apóstolo Pedro, e isto nunca pode falhar!

Se alguém, que tem autoridade para intervir, pode ser refreado por temor das conseqüências para os fiéis, como aconteceu comigo até agora, lembro o testemunho das três crianças na fornalha, ou de Suzana, como de todos os santos de Deus, especialmente os mártires: "Melhor para mim ser morto do que pecar contra o meu Deus".

Os verdadeiros fiéis católicos ainda têm essa perseverança, e muitas vezes ainda hoje, às escondidas, a exercem com enormes sacrifícios, a ponto de oferecer a própria vida.

Eles não se sentem abandonados se seus corpos chegam ao poder de homens que podem matá-los, mas se sentem abandonados por seus pastores se sua fé é posta à mercê do engano de Satanás.

Recordo novamente para mim e para todos os cristãos, através da palavra de São Paulo Apóstolo, o perigo de sermos cúmplices da grande apostasia atual: "Admiro-me que, tão depressa, daquele que vos chamou pela graça de Cristo, vós passeis a um outro Evangelho. Mas não há outro, exceto que há alguns que vos perturbam e querem subverter o Evangelho de Cristo. Mas se também nós, ou um anjo do céu, vos anunciássemos um Evangelho diferente do que vos anunciamos, que seja anátema! Já o dissemos e agora repito: se alguém lhes anunciar um evangelho diferente do que vocês receberam, que ele seja anátema! Na verdade, é talvez o consentimento dos homens que eu busco, ou o de Deus? Ou procuro eu agradar aos homens? Se ainda estivesse tentando agradar os homens, eu não seria um servo de Cristo!"

O mesmo Pedro, de cuja função Bergoglio abusa, disse aos sumos sacerdotes do Sinédrio: "É preciso obedecer a Deus e não aos homens".

Há dois anos escrevi uma passagem alusiva, referindo-me às palavras de Daniel perante Suzana, e sobrepondo uma imagem das Lágrimas de Sangue de Nossa Senhora de Civitavecchia, e publiquei-a na Internet, em www.mt715.simplesite.com, para que pudesse ser vista por todos. Esta foi uma tentativa de testemunhar o que agora afirmo, da maneira mais implícita possível, convencido de que estava evitando as conseqüências danosas para a Igreja que uma declaração explícita poderia ter causado.

Agora é o momento de dizer explicitamente o que eu estava expressando e, portanto, também de explicar a alusão:

"Sou inocente do sangue desta mulher".

Daniel decidiu não ser cúmplice através do silêncio da morte da inocente Suzana. Não quero ser cúmplice através do meu silêncio do Sangue da Igreja Católica, porque o sangue é para a vida, e a Vida da Igreja Católica é a Sua Fé em Jesus Cristo.

A Virgem Maria é a imagem e modelo da Santa Igreja. Em Sua imagem sagrada ela chorou Lágrimas de Sangue. É o Sangue de Jesus Seu Filho, como Ela mesma declarou. É, portanto, o Sangue da própria Igreja, Corpo Místico de Seu Filho, terrivelmente torturada e morta na apostasia de Sua Fé e da Verdade.

Eu, Francesco d'Erasmo, sou inocente do Sangue desta Mulher!

Assim creio e professo perante Deus Pai Todo-Poderoso, Jesus Cristo Seu Filho Nosso Senhor, que virá para julgar os vivos e os mortos e o mundo através do fogo, e o Espírito Santo de Verdade, a Virgem Maria Mãe de Deus e da Igreja, Rainha do Céu, Imaculada Conceição, os Santos Apóstolos Pedro e Paulo e todas as hostes celestes, perante toda a Comunhão dos Santos, triunfante, sofrente e militante, e perante todos os homens de boa vontade.

Assim me ajudem os Santos Evangelhos.

Amém.

Francesco d'Erasmo

Diocese de Civitavecchia-Tarquinia, 1º de abril de 2020, véspera do nascimento no Céu de São João Paulo II.

Documento original, em italiano